Doença rara é representada em ação por carregadora da tocha em Goiânia

Redação | 06 de Maio de 2016 - 17:00

No dia 05 de Maio, a tocha passou em Goiânia. Uma ação promovida pelo Ministério do Esporte e pela empresa Fields360 fizeram com que a primeira carregadora represente uma comunidade portadora de doença que deixa os pacientes até mil vezes mais suscetíveis ao câncer de pele do que as demais pessoas.

A plataforma governamental #SomosTodosBrasil, em uma iniciativa histórica, fez com que em plena luz do dia, na passagem da Tocha das Olimpíadas de verão, essas pessoas fossem incluídas e abraçadas pelo esporte, trazendo para o meio dos holofotes e da mídia uma doença pouco discutida e um povo totalmente isolado pela sociedade.

A carregadora foi Gleice Machado, presidente da Associação Brasileira de Xeroderma Pigmentoso (AbraXP), e pessoas da comunidade foram levadas para presenciar a ação. "Além da doença em si, uma grande batalha da nossa comunidade é a inclusão social. Essa ação dá o devido protagonismo ao assunto, e mostra que através do esporte é possível colocar Araras no mapa, e sob os olhos do mundo todo." afirma Gleice.

O povoado com cerca de 800 moradores vêm de Araras e destes, vinte e quatro pessoas têm o diagnóstico confirmado de xeroderma pigmentoso, fruto de uma mutação genética que gera hipersensibilidade a luz. A taxa de incidência registrada de 1 para cada 40 habitantes é a maior do mundo. Nos Estados Unidos, por exemplo, essa taxa é de um caso para cada 1 milhão de habitantes.