Please enable JavaScript to view the comments powered by Disqus.

O2 TRAZ NOVA TECNOLOGIA UNREAL PARA FILMES PUBLICITÁRIOS

Redação | 19 de Agosto de 2021 - 17:36

A O2 apresenta a tecnologia Unreal, inédita no mercado publicitário brasileiro. A novidade também pode ser utilizada na produção de séries e longas-metragens. O telão, com 13 metros de comprimento e 4,5 metros de altura, simula um background ao criar o ambiente desejado em live action. A mesma tecnologia também foi usada, por exemplo, na série Mandalorian da Disney.

A nova tecnologia pode ser conferida no filme da Lupo, com direção de Fred Luz e criação da OD Brasil, que mostra recurso visual surpreendente e otimiza o tempo de pós-produção. Ao invés de uma imagem estática no telão, a câmera é projetada dentro do ambiente 3D.

"Ao invés de trabalharmos com uma imagem estática filmada ou com vídeos, um dos grandes diferenciais neste filme foi que nós colocamos um projeto 3D dentro do telão. Podemos até comparar com a indústria de games, onde todo o cenário existe em 3D e, para onde você direciona o seu personagem ou a câmera dentro do jogo, existe ali todo um ambiente construído", observa Fred Luz, diretor do filme "fantástica fábrica de super pais", produzido pela O2 e criado pela OD Brasil. 

Por conta da pandemia e a exigência dos protocolos de segurança em filmagens, com o telão dentro do estúdio da O2 em Cotia (SP), o diretor teve o controle de todo o ambiente, indicando que a unreal é uma solução tecnológica e visualmente impactante e que pode ser uma alternativa às filmagens externas em épocas de restrições.

Para os atores, o fotógrafo e o diretor, a grande vantagem é poderem olhar no monitor a imagem já impressa, mais precisa. É possível entender e mensurar como a filmagem vai ficar por conta de toda a integração com o telão. Para o cliente, proporciona uma segurança maior em visualizar o resultado final. A compreensão das cenas é superior, já que a tecnologia traz toda a realidade para a filmagem. O que não ocorre com a já conhecida chroma key, onde a simulação levaria mais tempo.

"Com os movimentos de luz, conseguimos trazer uma melhor sincronicidade entre os dois mundos. A tecnologia otimiza o tempo de pós-produção, já que boa parte da energia desse projeto esteve na pré-produção", enfatiza Fred Luz.